Índios fazem militares venezuelanos reféns em confronto na fronteira






Os índios pemones, que entraram em confronto com o Exército da Venezuela, perto da fronteira com o Brasil, fizeram militares reféns nesta sexta-feira (22). O anúncio foi feito por Marcel Pérez, um dos indígenas envolvidos em protestos a favor da entrada de ajuda humanitária, na comunidade de Kumarakapay. Fontes militares do Brasil consultadas por GaúchaZH confirmaram a informação.



Segundo Pérez, o sequestro foi uma forma de pressionar o Exército de Nicolás Maduro a “parar com as agressões contra os venezuelanos”. Ele evitou afirmar que os reféns poderão ser utilizados como moeda de troca para a passagem de caminhões com ajuda estrangeira.


Militares da Venezuela matam dois e ferem 15 em ação na fronteira com o BrasilMilitares da Venezuela matam dois e ferem 15 em ação na fronteira com o Brasil
Venezuelanos que moram no RS temem por mais mortes na fronteira com o Brasil Venezuelanos que moram no RS temem por mais mortes na fronteira com o Brasil 
Invasão, guerra civil, transição democrática ou manutenção do regime: os cenários possíveis para a VenezuelaInvasão, guerra civil, transição democrática ou manutenção do regime: os cenários possíveis para a Venezuela

— Estamos com dois soldados, dois tenentes-coronéis e um general. Esta violência tem que parar. Não aguentamos mais — afirmou.

Pérez deu a declaração após ser atendido em um hospital de Pacaraima. Ele foi atingido por golpes no rosto e em outras partes do corpo. Por estar ferido, teve a passagem autorizada por militares venezuelanos na fronteira com o Brasil.

Ainda segundo o venezuelano, uma indígena foi morta e ao menos 14 pessoas ficaram feridas no confronto com o Exército. A ONG Kapé Kapé confirma dois mortos. 

— Nós estávamos fazendo um protesto pacífico, eles chegaram com tanques, fuzis, baionetas e partiram para a agressão — relatou.

O enfrentamento ocorreu no início da manhã. As vítimas com ferimentos graves foram encaminhadas a um hospital de Boa Vista, capital de Roraima. Neste sábado (23), os índios pemones prometem reforçar a mobilização do lado venezuelano para pressionar o Exército a aceitar a passagem de caminhões com ajuda humanitária. Os veículos devem chegar a Pacaraima pela manhã ou ainda de madrugada.
gauchazh.clicrbs.com.br

19:35
22/02/2019

clickmonteiro.com.br

0 comentários:

Postar um comentário