Luiz Fux manda prender o terrorista Cesare Battisti para aguardar extradição





Após anos de blindagem garantida por uma decisão do ex-presidente Lula, o terrorista italiano Cesare Battisti finalmente será confrontado por seus atos do passado. Acusado de matar quatro pessoas na Itália, Battisti sofreu uma dura derrota com a decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Fux, que determinou nesta quinta-feira, 13, que o terrorista vá para a prisão para aguardar os trâmites de seu processo de extradição para a Itália.


O italiano vivia tranquilamente no no Brasil desde 2010, quando obteve do então presidente Lula autorização para ficar no país sem ser importunado pelas autoridades italianas, que fizeram ao longo dos últimos anos reiterados pedidos de extradição do terrorista ao Brasil. O presidente Michel Temer dependia de uma decisão do STF, para atender ao pedido das autoridades italianas. Na decisão desta quinta, O ministro Luiz Fux finalmente reconheceu que o atual presidente da República tem poderes para revisar o ato de Lula e decidir se Battisti fica no Brasil ou será mandado de volta para a Itália, onde tem pena de prisão a ser cumprida. Até essa decisão ser tomada, o italiano ficará preso.

Segundo o Globo, "A defesa do italiano pode recorrer da decisão de Fux e pedir para o caso ser remetido ao plenário. No entanto, é pouco provável que o julgamento ocorra ainda neste ano. O STF entra em recesso na próxima quinta-feira. Não haveria tempo hábil para convocar o julgamento. O tribunal só retoma suas atividades em fevereiro de 2019. Até lá, o mais provável é que Battisti já esteja longe do Brasil.

A decisão sobre o destino de Battisti pode ser tomada por Michel Temer em dezembro, ou por Jair Bolsonaro a partir de janeiro, a depender do trâmite político da questão. Ambos já manifestaram o desejo de mandar o ex-ativista de volta para a Itália. Battisti tem atualmente uma vida pacata em Cananéia, no litoral sul do estado de São Paulo".
imprensaviva.com

21:20
13/12/2018

clickmonteiro.com.br

0 comentários:

Postar um comentário