Ganhador da Mega-Sena assassinado no interior do Ceará acumulava dívidas


Ganhador da Mega-Sena assassinado no Ceará Foto: Reprodução/Facebook
O "milionário da Mega-Sena" assassinado com três tiros na cabeça em Campos Sales, no interior do Ceará, na madrugada deste domingo, acumulava inúmeras dívidas desde que se mudou de São Paulo — quando acertou as seis dezenas da Mega, em 2011, e ganhou cerca de R$ 39 milhões — para a cidade cearense.


Miguel Ferreira de Oliveira, de 49 anos, morava em uma casa com muros altos e cercada por cercas elétricas e portões fechados na Rua Coronel Eneas Arrais, no Centro da cidade. Reservado, Ferreira, que era separado e tinha dois filhos, não tinha amizade com vizinhos, e administrava um depósito de construções na mesma cidade.

O ganhador da Mega acumulava dívidas do dia-a-dia, como contas de luz, telefone fixo e celular. Para se ter uma ideia, Ferreira acumulava 36 meses de dívidas com a concessionária de energia elétrica do Ceará. Em registros de empresas de proteção ao crédito, o nome do "milionário da Mega" também aparece por ter passado 12 cheques sem fundos, de março de 2014 a maio de 2015. Ele também acumulava dívidas com empresas de telefonia celular, e uma cobrança de cerca de R$ 10 mil, em uma loja de madeiras.

Ferreira estava com o nome negativado nos serviços de proteção ao crédito. O ganhador da Mega tinha uma dívida de R$ 459 com uma empresa de telefonia fixa e R$ 247 com celular.

Um vizinho de Ferreira contou ao Extra que o milionário não tinha muitos amigos na vizinhança. Segundo ele, o empresário era visto constantemente em festas pela cidade.

— Ele não tinha nenhuma amizade com os vizinhos. Quando chegou de São Paulo frequentava uma igreja, mas depois saiu e caiu na noitada. Quando caiu na vida noturna se separou da mulher e foi morar em outra casa, depois voltou. Nessa época, ele tinha uns cinco carros na garagem. Era camaro, mercedes... Mas nos últimos anos, ele estava com um só, o povo diz que já não tinha mais um centavo — contou.

Miguel foi morto sentado à mesa de um bar durante uma festa

A Polícia Civil do Ceará investiga o que teria motivado o assassinato de Miguel Ferreira. Ele foi morto sentado à mesa da Pizzaria Ponto da Pizza e Bar, no bairro Alto Alegre, quando participava de uma seresta.

Segundo o boletim de ocorrência, o assassino fez os disparos por trás da vítima e fugiu correndo na direção de um terreno baldio na Rua Vicente Alexandrino. Testemunhas que estavam no bar no momento da morte de Oliveira disseram à Polícia Militar que não conheciam o atirador. O crime, cuja motivação permanece desconhecida, foi registrado na Delegacia de Campos Sales.

Duas viaturas foram acionadas logo após o assassinato, mas não encontraram o suspeito. A PM informou que a Polícia Civil vai realizar diligências para tentar esclarecer as circunstâncias da morte de Oliveira, que vivia do aluguel de diversos apartamentos dos quais era proprietário.

Não é possível afirmar que o crime tem relação com a fortuna da vítima, mas um policial militar que conversou com o EXTRA ao telefone disse que a forma como tudo aconteceu leva a crer que o assasinato foi premeditado.

Em nota, a Polícia Civil do Ceará informou que estão sendo realizadas diligências para localizar e prender o suspeito. A Polícia Civil está pedindo a ajuda da população para elucidar o caso. As denúncias podem ser feitas pelo número 181, o Disque Denúncia da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), ou para o telefone da delegacia, pelo número (88) 3533-1309.
extra.globo.com

21:53
05/02/2018

clickmonteiro.com.br

0 comentários:

Postar um comentário